Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Perturbações do espetro Autista (PEA)

por Tágide, em 28.10.14
 
 

Disclaimer: Antes de Começar a falar do meu filho, deixo algumas explicações para os mais curiosos. Tentei explicar o principal, sem ser maçador. Espero que esclareça quem tiver interesse. E deixo também claro que as minhas participações não serão todas à volta deste tema, antes pelo contrário. Claro apenas ajudar-vos a compreender um pouco melhor a minha criança.

 

São uma série de perturbações do desenvolvimento da criança caracterizadas por um conjunto de sintomas e provocadas por um problema a nível neurológico.

 

Ainda se desconhece o que causa este problema com exatidão. Normalmente não existe nada que fisicamente distinga a pessoa com PEA das outras. Elas podem é comunicar, interagir, comportar-se e aprender de formas diferentes dos restantes.

 

As capacidades de pensar e aprender das pessoas com PEA podem variar. Podem existir pessoas com muito boa capacidade e criatividade e pessoas com estados mais profundos. A mais comum e conhecida manifestação de PEA é o autismo.

As Perturbações do Espectro Autista (PEA) começam a manifestar-se antes dos 3 anos e permanecem durante a vida da pessoa, embora alguns sintomas possam melhorar com o tempo.

 

Algumas crianças com PEA mostram indícios nos primeiros meses de vida. Noutras, os sintomas podem aparecer após os 24 meses ou até mais tarde.

 

Algumas crianças com PEA aparentam ter um desenvolvimento normal até aos 18/24 meses de idade e, de repente, param de adquirir novas habilidades/competências, ou perdem algumas das já adquiridas. Foi o caso do meu filho.

Sinais
As diferenças que surgem podem ser a nível da socialização, da comunicação e do comportamento.

 

As pessoas com PEA gerem a informação no seu cérebro de forma diferente das outras pessoas.


As PEA afetam cada pessoa de forma diferente. Há uma escala que varia entre o ligeiro e o severo. No entanto há sintomas similares, tais como problemas na interação social. Existem diferenças na forma como os estes aparecem, a sua gravidade e o que os origina.

Vários estudos mostram que entre 33% e 50% dos pais de crianças com PEA repararam nalguma diferença antes do primeiro aniversário, e entre 80 a 90% detetaram essa diferença antes dos 24 meses de idade.

Num estudo sobre deteção precoce das Perturbações do Espectro Autista realizado em 2005 em Espanha concluiu-se:

a) Âmbito familiar
Os pais tem dificuldades em detetar os sintomas das alterações comunicativo sociais , quer se trate do primeiro filho ou não. Uma analise a 100 respostas de famílias com crianças com autismo e níveis elevados de atraso do desenvolvimento, permitiu assinalar um padrão protótipo de apresentação do aparecimento da perturbação caracterizado por:
- Uma normalidade aparente nos 8 primeiros meses de desenvolvimento, acompanhada muito frequentemente de uma característica “tranquilidade expressiva” ou “passividade” não muito bem definida;
- Ausência de comunicação intencional tanto para pedir como para declarar, entre o nono e o décimo sétimo mês;
- Uma clara manifestação da alteração qualitativa do desenvolvimento, que coincide precisamente com o começo da chamada fase “locutiva” do desenvolvimento (da linguagem). Este padrão de alteração é específico do autismo, porque se associa a um menor atraso motor e menor grau de alteração médica e neurológica evidente.

b) Âmbito da Saúde
Os pediatras e os demais profissionais que prestam cuidados primários em geral carecem de informação e formação necessária, pelo que não reconhecem as alterações de comportamento. Além disto, com frequência tendem a pensar – erroneamente – que se trata de problemas leves e transitórios no desenvolvimento, e a recomendar aos pais para se esperar, quando detetam problemas de linguagem.

É importante salientar que algumas pessoas sem PEA podem ter alguns dos sintomas que se descrevem. Mas para as pessoas com PEA, estes comprometimentos tornam a sua vida muito difícil.

SINAIS DE ALERTA
Uma pessoa com PEA PODE:
• Não ter reação quando chamada pelo nome aos 12 meses;
• Não apontar para objetos, para saber o que são (por exemplo um avião a voar), mesmo se alertada, aos 14 meses;
• Não brincar a jogos de “faz de conta” (alimentar uma boneca, imitar o som de um carro) aos 18 meses
• Evitar olhar nos olhos (desvia o olhar) e procurar estar sozinha;
• Ter dificuldades em entender os sentimentos das outras pessoas (por exemplo quando uma pessoa chora) ou falar acerca dos seus próprios sentimentos (dificuldade em perceber o que é estar triste ou feliz);
• Ter atrasos na linguagem e competências da fala e não mostrar interesse em comunicar com outros;
• Estar sempre a repetir palavras e frases (ecolália);
• Dar respostas desconexas às perguntas, ou não responder de todo;
• Fica aborrecido com coisas insignificantes, mostrando dificuldade em gerir o seu stress;
• Ter interesses obsessivos, por exemplo por números ou por arrumar os brinquedos em linha;
• Abanar (sacudir) as mãos, balançar o corpo, ou rodar em círculos;
• Ter reações inesperadas a sons, cheiros, sabores, visual (cor/luminosidade) e tato de coisas (tocar em texturas diferentes como penas, ou areia).

Fonte: http://www.blogger.com/www.cdc.gov

 

 

 

publicado às 16:09


2 comentários

De familiavieiraribeiro a 30.10.2014 às 12:09

Olá
Nos Sinais de Alerta.. é necessário ter todos ou apenas algum deles para nos deixar em alerta!
Pergunto isto porque a minha Joana com 4 anos e 2 meses está mesmo muito atrasada na fala.. já temos consulta de pediatra do desenvolvimento marcada para dia 14!

De Tágide a 30.10.2014 às 12:14

Acho que é importante estar alerta. Mas se for só a fala, o mais certo é ser outra coisa.

Posso perguntar qual o Pediatra?

Há uma clinica com consultas gratuitas de pedopsiquiatria que fazem uma avaliação gratuita com aquele que para mim é o melhor pedopsiquiatra, o Dr Pedro Caldeira (chefe de equipa).

Ele é muito sério na avaliação e não faz dos atrasos do desenvolvimento um negócio (nem faz uma avaliação baseada numa lista). Brica com a Criança, fala com ela.

Se quiseres liga para a Unidade de Primeira Infância do Hospital da Estefânia (218530733)  e marca consulta com qualquer dos médicos da equipa. Se houver algo preocupante eles dizem-te logo. E não falam por falar.

Fica na Encarnação em Lisboa (não sei se és aqui da zona).

Se quiseres falar melhor envia-me um mail (desfadodatagide@sapo.pt

Comentar post




Página Vida de Mãe




COMENTáRIOS RECENTES

  • Kelly

    ops...campo minado! xDConfesso que não sei bem com...

  • Heidiland

    As crianças têm umas saídas muito engraçadas.

  • Ligia Vieira

    Quais são as fraldas do continente que usas? Já us...

  • Sam

    Para quem gosta de redes sociais e quer ganhar uns...

  • familiavieiraribeiro

    O miúdo já foi exposto em demasia!!! Retiraram mas...

  • Raquel

    Mesmo e no que ainda estará por vir se assim conti...

  • Raquel

    Acho que tudo tem a ver com a educação que lhes da...

  • Raquel

    Todas as crianças têm "saídas" destas.

  • Raquel

    Pois, e pelos vistos o vídeo já não está aqui.

  • omeumaiorsonho

    Horrivel mesmo , onde chegamos Meu Deus ;(




calendário

Outubro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

  Pesquisar no Blog